Subscribe:

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

DROGARIAS NÃO É UM LUGAR DE VENDER DROGAS? !


DROGARIAS VENDEM O QUÊ?

VAMOS COLOCAR TAMBÉM NAS MÃOS DOS MÉDICOS   E TERAPEUTAS.

        É QUESTÃO DE SAÚDE , NÃO DE POLÍCIA.

Cannabis Sativa ( Maconha ) de D`us ou do diabo? Do uso medicinal terapêutico ao espiritual.

Se eu sou a favor da natureza? É claro que sim, e cuido dela também, planto árvores frutíferas, não poluo rios, não jogo lixo nas ruas, não desejo que o mundo se dane, e pago meus impostos religiosamente.

 Sou brasileiro, e aqui em meu pais, temos liberdade de expressão, este é o meu blog, e aqui, deixo minhas opiniões e escritos para a posteridade e pra quem se interessar.

Sou um amante incondicional da natureza, vejo Deus em toda ela, do mais simples átomo, dos vírus, bactérias até a mais sublime espiralada galáxia. Em tudo dou graça!

O tema que escolhi agora está em plena discussão no senado e como brasileiro que sou, também quero entrar neste debate, e o tema de hoje é a descriminalização da cannabis sativa vulgo: ( Maconha ).


Segundo o site wikpédia:

Cannabis (aportuguesado como cânabis ou canábis ), também conhecida por vários nomes populares, refere-se a várias drogas psicoativas e medicamentos derivados de plantas do gênero Cannabis. Farmacologicamente, o principal constituinte psicoativo desse tipo de planta é o tetraidrocanabinol (THC), um dos 400 compostos da planta, incluindo outros canabinoides, como o canabidiol (CBD), canabinol (CBN) e tetrahidrocanabivarin (THCV).

A forma herbácea da droga consiste de flores e folhas maduras que subtendem das plantas pistiladas femininas. A forma resinosa, conhecida como haxixe, consiste fundamentalmente de tricomas glandulares coletados do mesmo material vegetal. A cannabis é frequentemente consumida por seus efeitos psicoativos e fisiológicos que podem incluir bom humor, euforia, relaxamento e aumento do apetite. Entre os efeitos colaterais indesejados estão a diminuição da memória de curto prazo, boca seca, dificuldade motora, vermelhidão dos olhos e sentimentos de paranoia ou ansiedade.

 Uma ervinha como essa, curar isso tudo? NÃO ! Não era interessante pra industria farmacêutica, ter uma única coisa pra beneficiar e curar tantos males, o objetivo era a medicina da doença, e a venda de drogas farmacêuticas.


O consumo humano da cannabis teve início no terceiro milênio a.C. e seu uso atual é voltado para recreação ou como medicamento, além de também ser usada como parte de rituais religiosos ou espirituais. A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que cerca de quatro por cento da população mundial (162 milhões de pessoas) usam cannabis pelo menos uma vez ao ano e cerca de 0,6 por cento (22,5 milhões) consomem-na diariamente.

A posse, o uso ou a venda da cannabis começou a se tornar ilegal no início do século XX em diversos países ocidentais, principalmente nos Estados Unidos. A proibição do consumo da erva se tornou global após a Convenção Internacional do Ópio, assinada em 1912 na cidade de Haia, quando diversas nações decidiram proibir o comércio mundial do "cânhamo indiano". Desde então, as leis que regulamentam a proibição da planta se intensificaram ao redor do mundo. Na últimas décadas, no entanto, surgiram diversos movimentos pela legalização da cannabis, enquanto alguns países e regiões passaram a permitir o uso do psicoativo sob certas circunstâncias, como foi o caso dos Países Baixos. Em 10 de dezembro de 2013, o Uruguai se tornou o primeiro país do mundo a legalizar o cultivo, a venda e o consumo da cannabis.

Agora vamos discutir fatos !!!


 Qual o objetivo da guerra as drogas? porque uma planta, tem tanto poder assim numa sociedade de seres humanos " pensantes "? Qual o objetivo " Deus" criou essa planta, Porque incomoda tanto?

 Por quê a cannabis não é como o capim santo, a camomila ou a erva cidreira?









QUERO DEIXAR CLARO QUE:

Sou contra o uso - indiscriminado - de substâncias psico/ativas, sou contra as drogas, sejam elas quimico/farmaceuticas, ou naturais. Todas as drogas, sejam elas lícitas ou não, contém substâncias viciantes, efeitos colaterais e contra indicações.

Na minha opinião, essa guerra só traz mais dor e sofrimentos, tanto para os usuários, quanto para as famílias e para a sociedade; não acredito que a maconha seja a porta de entrada para outras drogas, mas como é vendida em favelas ou comerciadas por traficantes, lá eles oferecem outras, e quantas mais existirem, esse é o drama; Onde há oferta ha procura. Com a cannabis desciminalizada, e cobrada impostos, esvaziaríamos as cadeias de usuários, prendendo os traficantes pesados, teríamos mais verbas para a construção de clínicas especializadas, pesquisas, orientações e  tratamentos, até a polícia se sentirá mais confiante, e com recursos em direcionar os esforços para o combate a outras drogas como é o caso do Crak etc..

VOCÊ SABIA QUE MILHÕES DE REAIS SÃO DESTINADOS AOS TRATAMENTOS DE USUÁRIOS DE DROGAS? E SABE QUEM PAGA? EU E VOCÊ !


Com a cannabis legalizada, o usuário que tiver algum problema de saúde, o mesmo já estará pagando pelo tratamento nos impostos incluídos no comércio legal como acontece com o cigarro e o álcool, ex: a pessoa que fumou 40 anos e teve câncer de pulmão, já pagou pelo tratamento com o imposto embutido na compra e consumo , sendo assim, nem eu nem você somos responsáveis pelo dinheiro gasto com esse tratamento, o usuário já pagou antecipadamente por ele. O que não acontece com as outras drogas ilícitas, quem paga somos nós, dinheiro esse que deveria estar sendo direcionado para outros setores da saúde e da educação por exemplo.

Segundo o Dr. Lester Grinspoon, 86 Psiquiatra de Harvard a maconha medicinal será tão importante quanto a penicilina. 




Agora vejam 20 motivos porque sou a favor: 

 1- Consumo tradicional
Desde pelo menos 2.800 a.c. a maconha já era usada pelos chinesas para extração de fibra. As caravelas usadas na descoberta da América tinham suas velas feitas a partir da cannabis (mais tarde, Napoleão tentaria liquidar a marinha britânica barrando a chegada da cannabis russa). No final do século 19, 90% do papel usado provinha da cannabis, da qual foi feita a primeira Constituição Americana. Os primeiros jeans também foram feitos da fibra da planta. Sendo assim, seu consumo atravessa toda a história da humanidade.
 2- Poderes medicinais
Da cannabis pode-se extrair 25 mil produtos de uso essencial para sociedade moderna. Roupas, calçados, produtos de beleza, óleo de cozinha, chocolate, sabão em pó, papel, tinta, isolantes, combustível, material de construção, carrocerias de carro e muitos outros produtos fazem da cannabis uma matéria-prima valiosa para a indústria mundial. Além disso, a cannabis é uma alternativa eficiente e barata no combate a várias mazelas e doenças.
 3- Liberdade religiosa
Religião, sexo e drogas era uma combinação natural até a chegada do cristianismo. A cannabis sempre foi usada como instrumento religioso. Suas sementes eram queimadas pelos sacerdotes para produzir os transes místicos. Seu uso com fins recreativos começou entre os gregos, nos grandes banquetes.
 4- Uso industrial
O uso industrial da cannabis sativa foi em grande parte sufocado por uma campanha agressiva de um concorrente direto, a indústria do petróleo. Em 1940, Henry Ford chegou a produzir um carro com a fibra da cannabis e movido pelo óleo da semente da planta.




5- Divisão racial

No Brasil, as dificuldades para o uso industrial da cannabis provêm de uma campanha de viés racista contra a maconha. Os negros africanos que chegavam como escravos traziam as sementes em suas tangas e se reunião à noite para fumar e cantar. Cientistas procuraram depreciar aquele hábito, tentando, sem sucesso, evitar sua difusão entre os brancos.
 6- Poderoso anestésico
A cannabis tem um grande poder medicinal. Na China era usada como anestésico. Hoje, é considerada um grande remédio contra o enjôo provocado pela quimioterapia contra o câncer.A cannabis tem um grande poder medicinal. Na China era usada como anestésico. Hoje, é considerada um grande remédio contra o enjôo provocado pela quimioterapia contra o câncer. É aceita também no tratamento de glaucoma e pode ser usada contra a asma e o stress. Muitos pacientes com aids a utilizam para abrir o apetite e ganhar peso.
 7- Hipocrisia
Algumas pesquisas indicam que a cannabis faz menos mal que o tabaco ou o álcool. Diferente destes, é inofensiva para terceiros, pois não provoca agressividade ou descontrole emocional. Não há indícios de dependentes de cannabis nas clínicas brasileiras. A única forma de matar alguém com maconha é jogando uma pedra do 25º andar de um prédio.




 8- Impostos

Caso a maconha fosse descriminaliado o Estado poderia aplicar o imposto adquirido com usa venda para melhorar os serviços de saúde e previdência.
9- Direitos individuais
A proibição do uso da cannabis acaba muitas vezes provocando uma cadeia criminosa que jamais existiria. Já que a maconha não faz mal, por que prender quem a vende? E mesmo que fizesse, o cidadão não tem direito de fazer o que quiser com seu corpo?
10- Saúde pública
A criminalização acaba piorando a qualidade da droga e levando o usuário para o sistema público de saúde, onde o dinheiro público será empregado.
11- Violência
O Estado gasta milhões na luta contra a destribuição da maconha. Dinheiro que poderia ser bem melhor empregado caso as forças policiais se concentrassem nos verdadeiros crimes. Se a maconha fosse comprada na farmácia, haveria um contexto menos favorável para que o menino pobre da periferia ingressar no tráfico. Logo, a legalização seria um duro golpe no tráfico e em toda a cadeia criminosa que favorece a corrupção.
12- Extorsão
Pessoas de bem são abordadas como criminosas e arrancadas de sua tranqüilidade, nos já famosos teatros de agressão e extorsão da polícia. A lei encaminhada no Congresso descriminalizando o usuário será um passo importante para abolir esta situação da vida brasileira. Mas a violência provocada pelo tráfico só será extinta com a liberação total da cannabis.
 13- Casos de sucesso
Hoje, a cannabis é plantada na Hungria, França, Canadá, Inglaterra, {Portugal, China e Espanha. Com pesquisas genéticas, o Brasil poderia produzir em três anos a semente da cannabis sem o THC (o princípio psicoativo)para uso industrial.
 14- Economia verde
A cannabis é uma matéria-prima estratégica para a sociedade sustentável. Ao contrário do petróleo, é um recurso renovável e limpo. Seu cultivo não necessita de agrotóxicos e tem alta performance produtiva, pois cresce em no máximo 110 dias(podendo ser associado a outras culturas). A cannabis favorece o princípio ecológico do desenvolvimento de regiões auto-sustentáveis, com plantações e fa’bricas lado a lado.
A luta pela plantação da cannabis sativa com uso industrial, já adotada por grifes internacionais como Adidas, Guess e Calvin Klein, é uma janela de otimismo para o futuro sustentável do planeta após o fim do petróleo e seus derivados.



15- Plantação


O plantio de maconha é muito mais rentável do que o de outras commodities que o Brasil produz. Sendo assim, legalizando a maconha o Brasil estaria permitindo que os agricultores estivessem produzindo um bem com maior valor agregado.
16- Ineficiente
Apenas um louco espera obter resultados diferentes com as mesmas ações. Mesmo com anos de guerra às drogas o consumo não para de subir. Portanto, proibir não apenas é ineficiente mas também é uma loucura. A proibição não é capaz de conter os efeitos negativos produzidos pelo uso de drogas. Dessa forma, o Estado deveria criar condições para que esse uso endêmico fosse menos prejudicial ao invés de simplesmente proibí-lo.
17- Descriminalizar não é legalizar
É preciso distinguir legalização de descriminalização. Quando se fala em descriminalizar, não estamos me referindo à droga, mas sim a uma conduta humana, individual, que atinge o social. Quando se fala em legalizar, falamos de um objeto. Podemos legalizar, por exemplo, o uso de determinado medicamento clandestino ou de um alimento qualquer desde que prove que eles não são prejudiciais à saúde. O mais certo é a descriminalização de uma conduta. Veja o seguinte exemplo: se alguém atirar um tijolo e ferir uma pessoa, não posso culpar o tijolo. Só posso criminalizar a conduta de quem o atirou. A mesma coisa acontece com a maconha. O problema é criminalizar seu uso e assumir as consequências da aplicação dessa lei.
18- Uso recreativo
A produção para uso recreacional geraria alguns milhares de empregos formais, especialmente no Semiárido Brasileiro, terreno fértil para a cultura da canabis.
19- Drogas e crime
A taxa de crime em estados americanos no qual a maconha é legal é inferior aos estados americanos que se utilizam ainda da repressão da Maconha.
20- Contramão
O número de usuários de drogas só tende a subir. Desta forma, é uma insensatez do Estado criminalizar a conduta de uma parcela cada vez maior da população enquanto existem tantos outros crimes que ficam sem puniçao alguma. Caso o país não mude sua opinião sobre esse tema nosso sistema prisional continuará cada vez mais cheio e incapaz de regenerar  pessoas. Na prática, o Brasil se tornaria um Estado penal.

Veja o documentário completo, pense, estude e tire suas próprias conclusões, não acredite em nada, o objetivo desse blog, é apenas informar e expressar as opiniões do autor. Sejam e estejam em luz!! Bjos no coração, deixe seus comentários e opiniões. Nos veremos por ai.
Segundo o Dr. Lester Grinspoon, 86 psiquiatra e professor em Harvard  A maconha medicinal será tão importante quanto a penicilina

0 comentários:

Inscreva-se por email