quinta-feira, 29 de junho de 2017

A importância do sono para a saúde



Quem já acordou no meio da madrugada e depois não conseguiu dormir novamente? Ou então teve sonolência excessiva durante o dia? Cansaço persistente, irritação, falta de atenção e queda de rendimento. Esses comportamentos, facilmente tachados de preguiça na escola ou no trabalho podem, na realidade, ser resultado de distúrbios do sono. E as conseqüências não param por aí: levam até ao risco de doença cardiovascular e depressão.

Saiba que conforme dados da Sociedade Brasileira de Neurofisiologia, Academia Brasileira de Neurologia e Associação Brasileira do Sono, estudo realizado com 22 mil pessoas em 11 cidades no Brasil em 2007, mostram que 50% dos brasileiros sofrem de algum distúrbio do sono, 30% roncam demais, 19% tem insônia e 4% sofrem de Apnéia do Sono.

A interferência do sono na sociedade reflete ainda nos acidentes de trânsito conforme dados da Policia Rodoviária Federal (PRF) e do Comando de Saúde nas rodovias, programa educativo e de prevenção da PRF, cerca de 10% dos motoristas tem algum tipo de distúrbio do sono e em média oito acidentes de trânsito acontecem todos os dias nas rodovias federais do Brasil provocados pela sonolência ao volante.

De acordo com estudos, ficar sem dormir no período de 24 horas equivale à concentração sanguínea de 0,10g/l de álcool no corpo. A privação de uma noite de sono é mais prejudicial do que os níveis alcoólicos considerados inaceitáveis pelos órgãos de trânsito.

Além disso, segundo um estudo da Universidade de Harvard, uma pequena quantidade extra de sono ajuda no processo de aprendizagem. A equipe de pesquisadores de Harvard verificou que pessoas que aprenderam tarefas novas e depois dormiram bem, obtiveram melhores resultados nessa função no dia seguinte.

Pesquisas ainda mostram que noites mal dormidas associadas ao estresse podem levar a ganho de peso, isso porque quando dormimos bem nosso cérebro produz um hormônio chamado leptina, substância ligada a diminuição do apetite.

Com isso confirmamos que o sono é uma função biológica fundamental para o bem estar físico e psicológico ajudando a recuperar forças, a rejuvenescer as células, fortalece as nossas defesas, o sistema imunológico, e como é obvio aumenta a nossa boa disposição, é ainda uma grande ajuda para quem quer manter a linha, pois o sono ajuda a controlar a fome.

O sono tem diferentes fases. O chamado sono REM (Rapid Eye Moviment – Movimentos Oculares Rápidos) é o do sonho. Os grandes músculos do corpo ficam paralisados para evitar a vivência. O sono NREM (que não tem os movimentos oculares) é composto de quatro estágios, sendo 1 o mais superficial e 4 o mais profundo. Imagens mentais podem surgir nessa etapa; no entanto, não há conteúdo. Durante toda a noite, os estágios se intercalam, fazendo com isso ciclos. Qualquer alteração na duração ou freqüência dessas fases levam a distúrbios no sono.

Basicamente há três grandes grupos de distúrbios do sono:

1) insônias;

2) sonolência excessiva;

3) comportamentos anormais durante o sono.

Apenas para ilustração os quatro principais distúrbios de sono na população brasileira:

Insônia

É o problema de sono mais comum na população brasileira. Caracteriza-se pela dificuldade em iniciar e manter o sono ou dormir de maneira não reparadora, o que acarreta repercussão nas atividades diurnas. A pessoa se sente cansada, irritada, sonolenta, com dores no corpo, desanimada, mal-humorada e apresenta alterações de memória.

Causas: ansiedade, estresse, depressão, maus hábitos - como a ingestão, perto do horário de dormir, de bebidas alcoólicas, cafeína, chás mate e preto (que funcionam como estimulantes), falta de horário para dormir e acordar, alimentação pesada, prática de exercícios físicos à noite, problemas familiares, econômicos e profissionais. Também causas orgânicas, como alterações na respiração.

Tratamento: um diagnóstico correto sobre o distúrbio e um estudo para descobrir a causa são essenciais. A partir daí, são indicadas as medidas psicológicas e medicamentosas necessárias para cada caso.

Sonolência excessiva

É caracterizada por muito sono ou sonolência nos momentos em que é necessário estar atento, como ao dirigir, em entrevistas, palestras ou cinema. Muitas vezes, é tão incontrolável que a pessoa chega a dormir em situações perigosas.

Causas: dormir menos do que o necessário ou ter distúrbios do sono como, por exemplo, a apnéia do sono.

Tratamento: investigar a causa, levantar o diagnóstico e tratá-lo de acordo com o distúrbio encontrado. Se a causa for dormir menos do que o necessário, tentar aumentar as horas de sono.

Sonambulismo e Terror Noturno

Normalmente, manifestam-se em crianças. No sonambulismo, enquanto dorme, a pessoa levanta da cama, anda pela casa e, ao acordar no outro dia, não se lembra de nada. No terror noturno, a criança senta na cama e começa a gritar, parece apavorada, mas depois se deita novamente e também não lembra do fato.

Não devemos acordar a criança durante o episódio, porque ela está em um estado de consciência que “mistura” sono profundo e vigília. “Ela pode ficar mais confusa e às vezes o episódio se prolonga. No sonambulismo e no terror noturno, a melhor postura é manter a calma e esperar passar”.

Causa: ainda não há uma explicação para esses dois distúrbios.

Tratamento: os dois problemas costumam desaparecer conforme a criança cresce. É necessário tomar providências apenas para evitar acidentes durante os episódios. Os adultos desenvolvem o sonambulismo como resultado de tensões emocionais, causa que deve ser tratada.

Apnéia

É um distúrbio com alta prevalência na população. Trata-se da diminuição ou interrupção da respiração por, no mínimo, 10 segundos. Com isso, despertar por várias vezes durante a noite é comum. Atinge mais os homens de meia idade acima do peso e mulheres após a menopausa, sendo que até mesmo as crianças ou pessoas de qualquer idade podem ser afetadas. Geralmente, a pessoa ronca, acorda cansada, às vezes com a boca seca, fica sonolenta e apresenta queda de rendimento, além de correr risco de doença cardiovascular.

Causas: obesidade, características físicas como o aumento das amígdalas (normalmente em crianças) ou, ainda, o estreitamento das vias respiratórias.

Tratamento: cirurgias, uso do CPAP (Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas) - aparelho que injeta, com pressão, ar comprimido no nariz e assim desobstrui a faringe de forma mecânica -, uso de aparelho dentário, emagrecimento e cuidado medicamentoso.
Para o diagnóstico dos distúrbios do sono com freqüência usamos do recurso de exames, sendo o principal a Polissonografia. O exame é realizado em um laboratório de sono sob a supervisão de técnico ou enfermeiro treinado para este fim. O paciente deve dormir com sensores fixados no corpo que permitem o registro do sono. Os sensores (ou eletrodos) são fixados de maneira a permitir ao paciente movimentar-se durante o exame, não atrapalhando assim o sono. Os dados obtidos durante a noite de sono registrada, e interpretada por um profissional médico especializado que emite então um laudo que é encaminhado para o médico do paciente.

Para concluir segue dez dicas que chamamos de higiene do sono, que ajudam a garantir uma boa noite de sono.

1. Horário regular para dormir e despertar.

2. Ir para a cama somente na hora dormir.

3. Ambiente saudável.

4. Não fazer uso de álcool próximo ao horário de dormir.

5. Não fazer uso de medicamentos para dormir sem orientação médica.

6. Não exagerar em café, chá e refrigerante.

7. Atividade física em período adequados e jamais próximo à hora de dormir.

8. Jantar moderadamente em horário regular e adequado.

9. Não levar problemas para a cama.

10. Atividades repousantes e relaxantes após o jantar.




Ref: http://www.sissaude.com.br

0 comentários:

Inscreva-se por email